A HISTÓRIA DA CAMISINHA (+18)




Nos dias de hoje é mais comum do que se imagina a quantidade de homens que se negam a usar preservativo (camisinha) para se proteger de doenças DST's/AIDS e gravidez não planejada.

Vocês homens deveriam agradecer ao verbo (evoluir), pois o sexo seria muito pior se ao invés de encapar o pênis em uma camisinha Látex, tivesse que usar crina de mula ou uma capa de papel de sede untada com óleo ou até  mesmo uma carapaça feita de casco de tartaruga. Isso mesmo, foi assim que ao longo da história que o homem encontrou uma forma mais segura de se prevenir contra as DSTs, doença essa que acreditavam ser castigo da Deusa Vênus (Deusa do Amor e da Beleza), pois eram sempre após as relações sexuais que se contraiam as doenças DSTs; posteriormente conhecida como doenças venéreas. Vou contar para você um pouquinho da história da camisinha.

Ao contrário do que a maioria das pessoas imaginam, a camisinha é uma invenção muito antiga.

Em 1300 a.c.,  os egípcios utilizavam um envoltório que embalavam o pênis, os mesmos eram feitos de linho, pele de animais,  e materiais vegetais; e as mulheres introduziam na vagina excrementos (fezes) de crocodilos embalados em tecidos para evitar a gravidez.

No século II, houve e uma evolução os romanos começam a utilizar esses envoltórios produzidos com intestinos de cordeiro e bexigas de cabra para se proteger da DSTs (Sífilis).

Em 1564, o anatomista italiano Gabriello Fallopio, segundo o artigo da Real Sociedade de Medicina inglesa, inventou um saco de linho que protegia o pênis contra a sífilis, onde foi testado em mais de 1100 homens, e nenhum foi infectado, o mesmo era  embebido em ervas, e mas adiante esse preservativo passou a ser embebidos em soluções químicas (pretensamente) espermicidas e secados. Ficou famoso e muito usado para evitar a gravidez.



Foi apenas no século XVII, que a camisinha ganhou um "toque de classe", o doutor Quondan, alarmado com o numero de filhos bastardos do Rei Carlos II da Inglaterra (1630 - 1685), criou um protetor feitos de tripas de animais, e  havia um laço na extremidade aberta, para evitar as gravidez, mas mesmo assim fez tanto sucesso que há quem diga que o nome em inglês (Condon) seria uma homenagem ao médico. Outros registros indicam que o nome parece vir  do "condus" que quer dizer receptáculo.


Em 1700 começaram a produzir esse envoltório com intestino de peixe, carneiro e outros
animais com o intuito de deixa-los mais finos e confortáveis.

Somente no inicio do século XVIII, Londres funda a primeira loja de preservativos, estes eram feitos de intestinos de carneiros e cordeiros com aromatizantes florais e feitos sob encomenda.

Em 1843 os preservativos começaram a ser fabricados com borracha pela Hancock e Goodyer; Eram pouco aderentes, irregulares e caros, o que faziam com quem fossem usados varias vezes.

Finalmente em 1914 Julius Fromm, no bairro Berlinense de Prenzlauer na Alemanha abriu seu primeiro negócio voltado para a produção e vendas de perfumaria e artigos de borracha.
Que era a revolução do látex.













Fromm tinha sensibilidade de um bom homem de negócio, colocou o produto certo, na hora certo e no lugar certo, após séculos de produção de preservativos feitos a partir de intestinos de animais, crina de mula, papel seda umedecido com óleo de amêndoas (Chineses) e de carapaça feita de casco de tartaruga (Japoneses) e até mesmo de borracha vulcanizada (a primeira camisinha moderna foi inventada por Charles Goodyer em meados do século XIX) muitos desconfortáveis e cheias de costura.

Por fim, Fromm desenvolveu a camisinha feita com látex: sem cheiro, sem costura e muito mais confortáveis, o método inventado por ele para a fabricação de preservativos é utilizada até hoje: tubos de vidro são mergulhados em uma solução de borracha, que depois de arrefecidas e secas formam os preservativos finos e sem costuras.
Nessa época os soldados da primeira guerra mundial começaram a frequentar muitos bordéis e contrair diversas doenças DSTs, havendo muita procura da camisinha até entre jovens.

Mas em 1960, infelizmente a camisinha deixa de ser utilizada por causa da invenção da pílula anticoncepcional, esquecendo das DSTs,  mas retorna em 1990 por causa da grande epidemia de HIV/AIDS.

Foi também no final da década de 90, que a camisinha feminina foi inventada por um médico Dinamarquês Lasse Hershel, sendo um método contraceptivo, pois protege contra DSTs/AIDS e gravidez não planejada, feita geralmente de borracha nítrica ou poliuretano, espessura fina, inodora, hipoalergênica já vem lubrificada, e a mesma pode ser colocada até oito horas antes do "coito" (relação sexual), é capaz de cobrir uma área maior da vulva, protegendo contras as DSTs/AIDS como herpes e verrugas genitais, e segundo relatos de algumas mulheres o anel externo estimula o clitóris proporcionando assim maior prazer no ato sexual.

 Atualmente tanto a camisinha masculina quanto a feminina são primordial para a pratica do sexo seguro, amplamente divulgadas na mídia e presente constante na carteira/bolsa de pessoas sexualmente ativas.

Vale salientar que a camisinha foi proibida muitas vezes na história, e ainda é condenada pela igreja católica. Segundo Aine Collier, professora da Universidade de Maryland, nos EUA, e autora do livro "The Humble Little Condom: A History" (A Pobre Pequena Camisinha: Uma História, inédita em português) "Os nazistas proibiram em toda Alemanha, o mesmo ocorreu na Itália e Espanha. Os franceses baniram a camisinha após a Segunda Guerra Mundial, pois tinham perdidos tantos homens que temiam que a população diminuísse drasticamente".
Nos Estados Unidos, uma lei de 1870 proibiu seu uso. "Elas ainda eram fabricadas, vendidas e usadas em segredo até o século XX", Explica a autora.

Curiosidade

Aproximadamente à 40 anos atrás a médica Sul-Africana Sonnet Ehlers estava de plantão quando uma vítima de estupro devastada entrou. Os olhos dela estavam sem vida; ela era como um cadáver de respiração. "Ela olhou para mim e disse:" Se eu tivesse dentes lá embaixo", lembrou Ehlers, que era uma jovens médica pesquisadora de 20 anos na época. " Eu prometi a ela que faria algo para ajudar pessoas como ela um dia"
Ehlers, vendeu seu carro e sua casa, e inventou um preservativo de látex como um tampão. Linha irregulares de ganchos semelhantes a dentes se encaixam e se prendem no pênis de um homem durante a penetração. "Dói, ele não pode fazer xixi e andar, e se ele tentar removê-lo, ele se apertará ainda mais, o mesmo só poderá ser removido mediante cirurgia, onde fica qualificado que ele era um estuprador.
Os críticos a acusam de desenvolver um dispositivo medieval para combater a violação, Ehlers responde, "Sim,  meu dispositivo pode ser medieval, mas é para uma ação medieval que existe a décadas", "Uma punição medieval para uma atitude medieval".
A África do Sul é onde ocorre o maior número de estupro no mundo, chegando por média à 50 mil por ano.
Ela planejou distribuir durante a Copa do Mundo em 2010 na África do Sul 30 mil dispositivos em teste gratuitos sob supervisão. Houve relatos de delegados que o índice de estupros foi praticamente zero durante 3 meses. E essas camisinhas ficaram disponíveis para venda por U$2 por peça. Até o presente momento não há relatos de sua continuidade.





Como colocar e retirar a camisinha feminina e a masculina corretamente: 





Assista ao meu vídeo falando sobre a História da Camisinha no Youtube 


     


Espero que gostem ! Um grande beijo ! Até a próxima !
Leni Pereira - Sexóloga 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEXO ANAL ... MINHA PRIMEIRA VEZ COMO PASSIVO(A)

SEXO ORAL E SEUS BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE (+18)